Orpheu Leal

Como é bom viver em Paz!

Textos


 
PÁSSAROS EM CATIVEIRO

Os pássaros têm asas para voar. O espaço infinito é deles, pois necessitam de liberdade para alçar voos, cantar, fazer seus ninhos nas árvores. Por isso eu faço um apelo a todas as pessoas que os mantêm presos, como se eles fossem perigosos bandidos, condenados por algum tribunal, para que dei­xem os bichinhos livres, abrindo as portas das gaiolas, que são verdadeiras penitenciárias de segurança máxima, até o fim de suas vidas. São condenad­os à prisão perpétua, sem nunca terem cometido qualquer delito. Ainda conseguem cantar, para deleite de seus donos, seus senhores. Não acho justo mantê-los presos. Meu pai teve diversos passarinhos engaiolados e eu não via aquilo com simpatia. No meu entendimento de criança, achava o cativeiro uma coisa errada, uma covardia. Soltos, eles se defendem sozinhos, não pre­cisam de nossas migalhas. O papagaio, único pássaro que fala, aprendeu a fazer versos. E assim começou o poeta:
Soltem-me, seus filhos da... não! O certo é assim:

 
               Nós vamos entrar em greve,
               Ninguém cantará na prisão,
               A nossa vida é tão breve,
               Abaixo a escravidão!
               Toda pessoa sensata,
 
             Que tem ave em cativeiro,
               Deverá soltá-la na mata,
               Pra cantar o ano inteiro!
               

               
           Com o poeta, assim declamando,
               Seus donos ficaram bonzinhos,
               Libertaram, quase chorando,
               ​Os pobres dos passarinhos.




                                        
Orpheu Leal
Enviado por Orpheu Leal em 30/12/2014
Alterado em 30/12/2014


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras