Orpheu Leal

Como é bom viver em Paz!

Textos


 

O SUMIÇO DO BODE
 
      Fazendo jus ao próprio nome, o Dr. Messias Leal, um homem pacífico por natureza, dentista pacato, vivia com a mulher e seus seis filhos, todos menores.
      Exercia sua profissão com maestria, era respeitado e conhecido por todos os moradores de sua pequena cidade como um profissional honesto e competente.
      O Dr. Messias morava na mesma rua do Hospital Municipal. O administrador de lá era o Sr. Severino da Silva Mendonça. Um tipo baixinho, careca, conhecido pelo apelido de Severino Mão-de-Onça, o que o deixava fora de si, quando alguém mexia na sua ferida. Ele era um sujeito austero e de pouca conversa, que quase não tinha amigos. Um de seus amigos era meu pai, a quem gostava de contar as suas façanhas.
      Além de administrar o hospital, ele cuidava de algumas cabras e de um bode, que ficavam num terreno de sua propriedade, contíguo ao hospital.
      Certo dia, o bode desapareceu misteriosamente.
      Seu Severino ficou bravo, meio alucinado de raiva. Como é que, numa cidade pequena, poderia existir meliante capaz de praticar um crime dessa natureza?
      Procurou seu amigo dentista e relatou o fato do sumiço do bode, estando presente um dos filhos do amigo, Renan, garoto de cinco anos de idade, que escutara toda a história.
      O Dr. Messias, muito calmamente, obtemperou: “Não fique nervoso, meu amigo; deixe que Deus resolve”.
      O homem não gostou da resposta e saiu cuspindo fogo.
      Três dias depois, o dentista recebeu de um cliente um peru assado, que foi a alegria de toda a família. Um banquete e tanto!
      Seu Severino continuou procurando o caprino e nada!   
      Passando em frente à casa do dentista, foi abordado pelo garoto Renan, que ouvira a conversa;  falou-lhe então que seu pai tinha feito um banquete com o bode.
      O homenzinho ficou feito um louco. Não podia acreditar que o Dr. Messias, um homem tão bom, pudesse ter feito isso com ele.
      No outro dia, um pé de tangerina, em nossa casa, que estava carregadinho de frutos, amanheceu pelado, sem nada, até as tangerinas verdes foram arrancadas e, no dia seguinte, como por milagre, o bode apareceu, vivinho!
      Seu Severino, meio sem graça, procurou o Dr. Messias para dizer-lhe que o bode aparecera.
      Todavia, não tocou no sumiço das tangerinas, é claro!
Orpheu Leal
Enviado por Orpheu Leal em 31/05/2013
Alterado em 31/05/2013


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras